Catedral de Brasília
Palavra do Pastor

16º Domingo do Tempo Comum

Parábolas do Reino

23/07/2017

+ Sergio da Rocha
Cardeal Arcebispo de Brasília

Neste Domingo do Tempo Comum, continuamos a ler as parábolas do Reino que integram o capítulo treze do Evangelho segundo Mateus, iniciado com a parábola do semeador, proclamada no último domingo. A Liturgia nos apresenta hoje um conjunto de três parábolas contadas por Jesus. A mais longa é a parábola do trigo e do joio, narrada apenas por Mateus. As outras duas, sobre o grão da mostarda e o fermento, são narradas também por Marcos e Lucas.

A parábola do joio e do trigo é explicada pelo próprio Jesus. Os discípulos de Cristo vivem no mundo onde coexistem o joio e o trigo. O dono da plantação e da colheita é uma figura de Deus, justo e paciente, que oferece oportunidade de conversão. Os servos que trabalhavam naquele campo achavam que o problema do joio poderia ser resolvido rapidamente, baseando-se estritamente na lógica da justiça sem a misericórdia, que gera impaciência e intolerância. Justiça e misericórdia andam juntas e se exigem mutuamente. No mundo de hoje, em meio a tantos males, é preciso cuidado para não perder o trigo ao pretender arrancar o joio. Além disso, não se pode reduzir o "campo" onde vivemos ao "joio", nem se deve jamais desacreditar na força do "trigo", pois os justos "brilharão como o sol no reino de Deus" (Mt 13,43).

As outras duas parábolas falam do Reino ressaltando a força do que parece frágil como uma semente, ou insignificante como o fermento. A semente de mostarda, embora pequena, tem força para produzir uma árvore. O fermento, de modesta aparência, oculto em meio à farinha, tem força de fazer crescer a massa.

O livro da Sabedoria também nos mostra que a justiça e a misericórdia estão juntas em Deus, convidando o justo a "ser humano", isto é a praticar a justiça com a clemência. O autor assim se dirige a Deus: "ensinaste que o justo deve ser humano e a teus filhos deste a confortadora esperança de que concedes o perdão aos pecadores" (Sab 12, 19). Para ser justo, é preciso ser misericordioso; para ser misericordioso, é preciso ser justo.

Segundo a Carta de S. Paulo aos Romanos, Deus se mostra clemente vindo "em nosso socorro da nossa fraqueza" por meio do Espírito Santo. Sem ele, não sabemos orar de modo justo (Rm 8,26-27).

"Quem tem ouvidos ouça" (Mt 13,43), é a frase conclusiva do texto do Evangelho proclamado. Esta advertência, que já se encontrava na parábola do semeador, se repete como um refrão, convidando-nos a escutar com atenção e a acolher com fé a boa nova do Reino anunciada por Jesus.  

Imprimir Subir Voltar

 Fale Conosco Contatos Webmail Twitter GooglePlus Facebook Flickr Youtube
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados. Voltar a Home