Catedral de Brasília
Notícias

A dádiva divina de ser pai

13/08/2017 00:50

A palavra pai remete ao significado de progenitor, genitor, gerador. Mas o significado dessa pequena palavra de apenas três letras vai muito além do somente gerar. A missão do pai de família é, espelhando-se no próprio Deus, que é Pai, zelar pela família, protegê-la, amar e cuidar da esposa e filhos.

Muitas vezes a sociedade insiste em menosprezar a importância de um pai no seio familiar e na criação dos filhos. Mas Deus em sua Sabedoria fez questão de que todo ser humano pudesse ter a alegria de ter um pai e uma mãe. Isso é prova do amor infinito de Deus por nós.

Entre diversas histórias bonitas de pais dedicados, conheça o relato de um jovem pai que encontrou na paternidade a força para superar uma grande perda em sua vida:

“Senhor, não sei que propósito tem isso na minha vida! Mas se vai ser assim, eis me aqui!”.

“Sou o Renato, pai do Pedro Angelo, tenho 33 anos. Antes de ser pai, não tinha ideia do que era. Até então, estava acostumado apenas a ser filho e imaginava todas as coisas que eu já tinha feito como filho. Pensava sobre a importância de ser exemplo e passar valores. Eu pensava: “-Vou chamar alguém de meu filho, como vai ser isso?”.

Após nosso Pedrinho nascer, em Janeiro de 2012, alguns dos pensamentos foram mudando. Um deles foi descobrir o amor de pai. Depois daquele sorrisinho que ele dá olhando pra você, não tem jeito! É amor a primeira vista!

Mas a ficha para o pai não cai tão rápido! Acho que no terceiro mês é que fui me acostumando e entendendo de verdade que eu era pai e me dedicando de forma gradativa

Acordar a noite de 3 em 3 hora pra levar pra mãe dar de mamar, trocar fralda, dar banho, dar comida, botar pra arrotar, botar pra dormir...

Muita coisa aconteceu em nossa vida. Tivemos problemas, mas eles não foram maiores do que os momentos bons que tivemos. Em junho de 2014 minha esposa estava tendo muitos enjoos e resolveu fazer um exame de gravidez. As suspeitas se confirmaram, resultado positivo! Ela estava grávida. Assim iniciamos um novo período e novas perspectivas. Estávamos em nossa nova casa, e os momentos eram muito felizes.

Cinco meses depois da feliz notícia, em dezembro de 2014, fomos ao hospital. Minha esposa estava cansada fora do normal, e acabou internada pelo médico de plantão com diagnóstico de pré-eclâmpsia. Depois de dois dias internada, minha esposa deu à luz ao João Miguel. Um parto complicado, prematuro. Mais complicações vieram e, após dois dias e algumas intervenções médicas, ela não resistiu. Nosso filho João Miguel, não estava com o pulmão totalmente formado. No dia seguinte, após a morte da mãe, João também se foi, por complicações de baixa saturação de oxigênio no cérebro, entre outras coisas. Arrasado e sem chão, sem acreditar ainda em que mundo eu estava, que realidade era aquela, disse à Deus: “Senhor, não sei que propósito tem isso na minha vida! Mas se vai ser assim, eis me aqui!”.

Uma metade dela ficou comigo, e a minha metade foi com ela para que nenhum dos dois ficassem sozinhos. Ela tinha o João Miguel, e eu, o Pedro Angelo.

A partir disso minha vida se voltou inteira e integralmente para o meu filho. Todo amor e atenção. Os anos passam rápido, e hoje meu filho já tem 5 anos. Penso sempre que o que posso deixar pra ele são as experiências, não as minhas, que também contribuem, mas as que faço ele mesmo ter. Proporcionando sempre algo novo, desde palavras em outras línguas, uma viagem, brincadeiras, até as broncas porquê isso também faz parte, sempre espero que ele cresça sabendo que na vida, nem sempre acertamos. Podemos estar errados as vezes. E podemos ficar frustrados. O que não podemos é viver frustrados. Precisamos, sempre que cair, saber levantar e seguir adiante. E que saibamos o poder que o não tem, positivamente, em nossas vidas. Pois as vezes, ouvir um não também é uma prova de amor. 

Depois disso, nossa relação e proximidade só cresce e nós dois crescemos muito com isso, também.  Ele é a alegria em pessoa por onde quer que passe. É um companheiro e tanto! Viagens e festinhas, cinema e o adversário no videogame em casa. Por muitas vezes estive dando uma grande força pra ele. Já em outras, vi que era ele quem me apoiava e me acalentava. Em muitas coisas um foi o apoio do outro.

Sei que não há como eu assumir o papel de mãe. Mas tento ser o melhor pai que ele pode ter.

A ela que me deu a felicidade de ser escolhido como o pai de seus filhos, minha eterna gratidão. E a Deus e meus pais, pelo dom da vida e por ter a oportunidade de ser pai de uma criança tão maravilhosa! A vida tem que continuar e, com meu filho, tenho certeza de que só posso ser feliz. Paz e Bem!

 

 Feliz Dia dos Pais!

 

Por Kamila Aleixo

Imprimir Subir Voltar

 Fale Conosco Contatos Webmail Twitter GooglePlus Facebook Flickr Youtube
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados. Voltar a Home