Catedral de Brasília
Notícias

Dados apresentados na Formação da CF: cerca de 52% do Cerrado está destruído

20/02/2017 15:54

A Formação para a Campanha da Fraternidade que aconteceu no último sábado, 18, foi dividida em dois turnos, a parte da manhã e a parte da tarde. Logo após o almoço os participantes foram recebidos no auditório da universidade Católica de Brasília, com o vídeo da Campanha 2017 elaborado pela comissão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Dando continuidade a Formação a primeira palestra foi a da Cáritas Brasileira sede Brasília, que foi representada pelo membro, José Teixeira. O tema da palestra foi a aplicação dos recursos do Fundo Arquidiocesano de Solidariedade (FAS) que é um fundo solidário permanente composto pelos recursos da Coleta da Campanha da Fraternidade, realizada no Domingo de Ramos. O FAS visa apoiar projetos realizados pelas Ações Sociais Paroquiais, Movimentos Sociais, Grupos de Economia Solidária, Pastorais Sociais e entidades da sociedade civil atuantes na Arquidiocese de Brasília. Dois projetos sociais apoiados pela Cáritas e que recebem a ajuda dos recursos fornecidos pelo FAS se apresentaram e falaram um pouco sobre as experiências e oportunidades.

Logo depois o Sergio que é engenheiro agrônomo da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal – EMATER-DF, conversou com os participantes, falando um pouco do trabalho que a entidade presta para os pequenos e grandes agricultores do Distrito Federal.  A EMATER em Brasília tem o objetivo de promover o desenvolvimento rural sustentável e a segurança alimentar por meio de assistência técnica e extensão rural.

Depois foi a vez de falar sobre a Campanha Nacional em Defesa do Cerrado, que tem como tema “Cerrado, Berço das Águas: Sem Cerrado, Sem Água, Sem Vida”. Para falar sobre a Campanha estava, Isolete Wichinieski, que faz parte da Comissão Pastoral da Terra (CPT), vinculada a CNBB. Isolete falou sobre os objetivos da Campanha, além de salientar sobre a real situação do bioma do Cerrado e seus recursos hídricos.  Na ocasião foram apresentados alguns dados de pesquisas que mostram números alarmantes sobre a degradação da região, que atualmente tem 52% do Cerrado destruído.

Uma das palestras mais esperadas era a do representante do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, Dr. Roberto que é procurador da Promotoria de Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio Cultural - Prodema. Dr. Roberto falou sobre as leis de proteção ao Cerrado além de esclarecer o papel do cidadão quanto a cobrança mais rigorosa do cumprimento dessas leis.

Para o promotor é a população a maior arma contra o descumprimento das leis ambientais que protegem o cerrado. “Falta o conhecimento da população. Eles mesmos podem agir e não ficarem somente esperando providências do Estado. Acredito que também dependa de um trabalho de educação ambiental porque isso vai mostrar tanto a estrutura legal e a possibilidade de participação efetiva do cidadão e os meios de buscar essas providências, que muitas vezes não tem referência por falta de formação, pois a questão ambiental é pouco difundida”, explicou Dr. Roberto.

Ainda segundo o Dr. Roberto o debate sobre temas como o da Campanha da Fraternidade é primordial para o conhecimento e conscientização da população. “O Tema da campanha é fundamental porque são os biomas que vão garantir a vida do planeta. Por exemplo, o bioma cerrado é um dos mais ricos do planeta. A sua diversidade biológica não foi se quer experimentada e nem medida no seu mínimo e, no entanto já está desaparecendo. Então a Campanha é fundamental”, concluiu.

O bispo auxiliar dom  Marcony Ferreira fez o fechamento da Formação, juntamente com o padre Euclides Gonçalves que é coordenador Arquidiocesano de Pastoral e o Padre Antônio Carlos que é coordenador de Pastoral na Universidade Católica de Brasília.

Dom Marcony falou sobre as pistas de ação para a vivência da comunidade na Campanha da Fraternidade.

Para o bispo, o tema da Campanha deste ano é muito pertinente com o momento atual que vive o País, e principalmente Brasília.

“Eu creio que a Campanha vem chamar a atenção, primeiramente para o conhecimento e depois para a sensibilização de um aspecto tão importante que no dia a dia a gente não se preocupa. É bem verdade que é direcionado mais aos biomas justamente porque estão sendo assoreados e devastados por outros interesses. Por isso a Igreja se une ao poder público e a comunidade para iluminar, à luz do Evangelho, este cuidar da criação. Vamos então incentivar a campanha em nossa Arquidiocese, termos atitudes bem concretas no nosso dia a dia, pois são tantas coisas de uma maneira tão simples, que podemos estar vivenciando a campanha em nossa casa, em nossa rua, na nossa cidade, sem fazer um alarido grande, mas de uma forma bem concreta dando nossa contribuição como cristão e filhos de Deus”, concluiu dom Marcony.

 

Veja fotos da Formação clicando aqui.

Para saber mais sobre a vivência da Campanha da Fraternidade em nossa Arquidiocese, entre em contato com a Secretaria de Pastoral Arquidiocesana por meio do telefone: 3213 3341 ou do email: fernanda.pastoral@arquidiocesedebrasilia.org.br.

 

Leia mais:

CNBB lança Texto-base da Campanha da Fraternidade 2017 

Baixe aqui Cifras e Partituras

Baixe aqui os Hinos das Campanhas da Fraternidade

CNBB lança edital de concurso para hino da CF 2017

 

Imprimir Subir Voltar

 Fale Conosco Contatos Webmail Twitter GooglePlus Facebook Flickr Youtube
© Copyright 2013 - Todos os direitos reservados. Voltar a Home